Publicado em 27 de April de 2015
Amanda Scandelari

Em épocas de instabilidade econômica qualquer tipo de investimento é pensando mais de uma vez. A manutenção das máquinas já adquiridas pela empresa pode ser uma solução. Mas até que ponto elas podem ser estendidas sem prejudicar a produção?

A mecanização das operações florestais fez com que o trabalho se tornasse mais rápido e produtivo. Algumas máquinas realizam mais de uma função e hoje as grandes empresas de base florestal não podem sequer pensar em não utilizá-las no processo produtivo. Mas ter o equipamento necessário e de qualidade não é barato. E em momentos de instabilidade econômica os investimentos em novos maquinários acabam ficando em segundo plano e a manutenção se torna a principal aliada dos produtores.

José Eduardo Paccola, consultor na ZDP Consultoria em gestão e manutenção de frotas e autor do livro Manutenção e Operação de Equipamentos Móveis, explica que em média a vida útil econômica de uma máquina florestal gira em torno de 25 mil horas. O que dependendo do turno trabalhado, equivale a 5 ou 6 anos de operação. Mas ele acrescenta que, se a máquina for bem cuidada e a manutenção feita primorosamente, a vida útil pode ser estendida entre 20% e 30%. “Existem empresas no Brasil que atingiram esse estágio e conseguem esticar para mais de 30 mil horas a utilização dos equipamentos.”

Mas como elas chegam a isso? Paccola explica que existem três níveis de manutenção de máquinas florestais: manutenção de serviço, manutenção preventiva e manutenção de emergência ou corretiva.

Manutenção de serviço – deve ser realizada diariamente, ou a cada turno, e consiste em verificar níveis, abastecer, lubrificar e reapertar. O planejamento destas atividades deve constar do programa de trabalho da equipe e ser realizado rotineiramente e ser acompanhado pelos supervisores do campo.

Manutenção preventiva – o planejamento da manutenção preventiva normalmente é realizado baseado no funcionamento das máquinas. A medida que elas vão trabalhando deve haver um registro e somatório destas horas trabalhadas que, no momento oportuno, é disparada uma informação para que determinadas tarefas constantes nos Planos de Manutenção sejam realizadas. Conforme o tamanho da frota é necessário que se utilize de um software de gerenciamento destas informações.

Manutenção de emergência – é realizada conforme necessidade, quando há ocorrência de quebra ou redução da função.

Para que as máquinas cheguem a excelência e durem mais que o esperado o consultor indica que o correto em uma boa gestão é fazer todo um planejamento, o que significa fazer mais manutenções de serviço e preventivas do que as de emergência. “Para isso é necessário ter uma equipe capacitada para antecipar os problemas, mediante inspeções no equipamento.” …

Para ter acesso a matéria inteira acesse a Revista B.Forest!

Para ter acesso a publicação: clique aqui!

Para fazer o download da revista: clique aqui!

 

Fonte: Revista B.Forest